Medidas da Jotabasso para prevenção e combate a pragas na soja

O grupo utiliza o Manejo Integrado de Pragas (MIP) monitorando as lavouras e documentando os índices de pragas em cada talhão

 

Os cuidados com a lavoura com o obtivo de evitar pragas devem começar antes mesmo do plantio. A escolha de uma boa semente, um bom preparo do solo e o cuidado na hora do plantio são os primeiros passos para o sucesso da safra. Após depositada a semente na terra, é hora de começar os cuidados para que as pragas não destruam as plantas ou afetem a produtividade.

É nesta fase que entram os defensivos agrícolas, que fazem o controle das pragas que prejudicam a lavoura.  O seu uso permite a sustentabilidade da produção agrícola, que mantém o Brasil como um dos maiores produtores e exportadores de alimentos do mundo.

Os defensivos

Os defensivos – fungicidas, inseticidas, herbicidas e reguladores de crescimento – são os produtos responsáveis por melhorar a calda (como os espalhantes). Todos possuem uma função: defender as plantas do ataque de pragas que podem causar prejuízos à lavoura.

O ingrediente ativo do defensivo é que determina sua ação. Existem vários produtos com o mesmo ingrediente ativo, mas com quantidades diferentes na sua composição. Também por isso é fundamental que o produtor siga as recomendações de uso, com orientação de um auxiliar técnico, aplicando as doses recomendadas e seguindo as Boas Práticas Agronômicas, como explica o engenheiro agrônomo da Sementes Jotabasso, Winícius Menegaz.

A defesa preventiva

“A Jotabasso utiliza o Manejo Integrado de Pragas – MIP – que é o monitoramento das lavouras, documentando os índices de pragas em cada talhão e acompanhando diariamente a lavoura com uma equipe bem preparada. O MIP traz um conceito bem amplo, precisa de um acompanhamento rotineiro nas lavouras, entender ao máximo o que está acontecendo na lavoura e ter na mão essas informações, ter amostragens em forma de zigue-zague na lavoura, analisar maior número de pontos possíveis”, explica Winícius.

Outros métodos usados pela Jotabasso

A empresa também faz uso de cultivares resistentes. A entrada da tecnologia Intacta trouxe proteção contra as principais lagartas da cultura da soja, e Menegaz lembra que foi possível reduzir drasticamente o número de aplicações de defensivos em função desta tecnologia. A proteção pode variar dependendo da espécie e do nível de infestação na cultura. Portanto, o agricultor deve realizar o monitoramento constante e utilizar as medidas adicionais do Manejo Integrado de Pragas.

O MIP reduz as aplicações indiscriminadas de defensivos, porque são aplicações pontuais: se não tem pragas, não precisa aplicar. “O MIP deve entrar no momento certo, na hora certa para otimizar os insumos”, acrescenta o agrônomo.

Outra questão importante destacada por Winícius são as aplicações extremamente técnicas: “Não adianta ter produtos eficientes e não ter uma aplicação no momento ideal onde a praga está exposta. Aqui na Jotabasso temos algumas regras. Por exemplo, não fazemos aplicações com vento a mais de 10 km/h e temperaturas acima de 27 graus. E com umidade relativa abaixo de 70%, a gente também não faz aplicação. Tudo isso já está dentro de uma janela de aplicação adequada dentro destas 3 regras básicas para ter um maior controle de pragas”, detalha o profissional.

No entanto, para o êxito de todas essas práticas, Winícius faz uma alerta: “por último e não menos importante, é preciso ter uma equipe preparada. Tudo isso que mencionamos acima exige preparação, pessoas que saibam preparar as amostragens, distinguir uma praga de outra”, reforça.

Dadas algumas regras básicas, o produtor não pode perder o “timing” de aplicação dos produtos para atingir as pragas em estágios iniciais, pois com uma aplicação neste estágio é possível ter uma ação para um fácil controle, antes que o problema avance de estágio. Isso também vale para as plantas daninhas. “Uma lavoura de soja que ainda não fechou as ruas de plantio, as entrelinhas que ainda estão abertas, caso apresente pragas, é possível fazer uma aplicação e pulverizar desde o baixeiro da planta até a parte superior”, acrescenta o agrônomo.

Torrãozinho e o elasmo

As principais pragas que tem acometido as lavouras de soja no Centro-Oeste são o torrãozinho e o elasmo, que se apresentam na fase inicial e roubam estandes de plantas. O percevejo também vem preocupando os produtores. “Ela vem ganhando importância, e os produtos no mercado hoje não tem eficiência alta para percevejo. Os melhores produtos atingem no máximo 70% de eficiência, então, sem aplicação técnica, essa eficiência cai ainda mais”, finaliza Winícius.